Estudos Biblicos do Livro de Deuteronomio

Estudos Biblicos do Livro de Deuteronomio

INTRODUÇÃO

Título. O título em português do livro de Deuteronômio parece basear-se na tradução errada que a LXX faz da frase, "um traslado desta lei" (17: 18), deuteronomion touto, "esta segunda lei".

O título judeu, deveirim, "palavras", vem do costume de usar as palavras introdutórias do livro por título.

Deuteronômio começa com a declaração, "São estas as palavras que Moisés falou" (1:1a). Considerando que os antigos tratados de suserania começavam exatamente assim, o título judeu chama a atenção para uma das pistas que identificam o caráter literário deste livro. Data e Autoria.

A origem de Deuteronômio é de significado crucial nos estudos que a alta crítica moderna faz do Pentateuco e, também, nos estudos da literatura e teologia do Velho Testamento em geral. De acordo com a antiga Hipótese Evolucionária, o Deuteronômio originou-se no Sétimo Século A.C. e foi a base da reforma de Josias (cons. II Reis 22:3 - 23: 25), presumivelmente nos interesses de um culto centralizado (cons. comentário sobre Dt. 12:4-14). Esta opinião continua entre os críticos negativos assumindo formas modificadas; mas há quem sugira uma data Deuteronômio (Comentário Bíblico Moody) 2 pós-exílica, e outros ainda remontam a origem da legislação deuteronômica à primeira monarquia e até ao período pré-monárquico. Significativo para a estipulação da data em diversos documentos alegados ao Pentateuco é a tendência de explicar-se o suposto conflito de seus preceitos, não recorrendo a uma longa evolução cronológica, mas estipulando-lhes diferentes fontes geográficas e culturais. Deuteronômio, particularmente, então, remonta a sua origem a um santuário siquemita. Em vez de associar Deuteronômio com os quatro primeiros livros do Pentateuco, a maneira moderna de encarar o assunto pensa em termos de um Tetrateuco e de uma tradição deuteronômica literário-histórica compreendendo todos os livros desde Deuteronômio até II Reis. A cultura cristã ortodoxa moderna alia-se à tradição cristã e judia mais antiga, que aceita as diretas reivindicações do próprio Deuteronômio de constituir os exórdios cerimoniais e derradeiros de Moisés à assembléia israelita nas planícies de Moabe. Deut. 31:9 e 24 declaram que Moisés escreveu e também falou "esta lei". Algum oficial teocrático, com toda probabilidade, completou o documento registrando a morte de Moisés (cap. 34) e provavelmente o cântico do testemunho de Moisés (cap. 32) e o seu testemunho (cap. 33). Possivelmente ele também acrescentou certos outros elementos resumidos ao esboço deste documento legal. A unidade e autenticidade do Deuteronômio como produto mosaico confirma-se através da notável identidade de sua estrutura com as do tipo suserânico de aliança ou tratados em sua forma clássica dos meados do segundo milênio A.C. (Veja notas abaixo e consulte Comentário para detalhes.

Veja também M.G. Kline, "Dynastic Covenant", WTJ, XXIII (Nov. 1960),1, págs. 1-15). Ocasião Histórica. Apenas dentro da estrutura da administração da aliança redentora de Deus é que o Deuteronômio pode ser adequadamente interpretado. As promessas concedidas aos patriarcas, final e inteiramente realizadas em Cristo, tiveram um cumprimento provisional e típico nas alianças em que Moisés serviu de mediador para Israel. Na Aliança do Sinai estabeleceu-se a teocracia, com Moisés no papel de Deuteronômio (Comentário Bíblico Moody) 3 representante terreno da realeza do Senhor sobre Israel. Então, depois que a rebelde geração do êxodo pereceu no deserto e a morte do próprio Moisés era iminente, foi necessário renovar a aliança com a segunda geração. O ato central, decisivo da cerimônia foi a consagração do povoservo por meio de um juramento ao seu divino Senhor. Particularmente, o reino de Deus simbolicamente representado na dinastia terrena e mediadora, tinha de ser confirmado levando Israel a declarar que obedeceria Josué na qualidade de sucessor de Moisés nesta dinastia. Parte do procedimento padrão seguido no Oriente Próximo da antiguidade, quando os grandes reis faziam alianças com os povos vassalos, era a preparação de um texto da cerimônia, incluindo o tratado e a testemunha. O livro de Deuteronômio é o documento preparado por Moisés na qualidade de testemunha na aliança dinástica que o Senhor fez com Israel nas planícies de Moabe (cons. 31:26).

BAIXE AQUI EM PDF